Não podendo mudar tudo do mundo num único instante… poderemos dar pequenos passos rumo a um mundo melhor para todos
Quarta-feira, 30 de Abril de 2008

Pedimos uma ação imediata contra a crise alimentar global adotando as seguintes medidas: moblização de um fundo emergencial contra a fome; remoção de subsídios perigosos que transformam alimentos em biocombustíveis; ação contra a especulação financeira prejudicial; avaliação de políticas comerciais injustas; e investimento na produção agrícola sustentável em países em desenvolvimento.

 

 

Assine a petição e veja o pedido de apoio de Zainab Bangura, ministra das Relações Internacionais da Serra Leoa aqui.  

publicado por M.M. às 18:59


A crise mundial do capitalismo está aí. Nem era necessário ser economista para ver que esta globalização acabaria por alastrar a miséria e arrasar com os mercados mundiais.

 

 

A crise desta globaização que nós próprios incetamos e insentivamos faz-se sentir com tudo o seu fulgor nos países do Terceiro Mundo, esses mesmo que durante décadas foram os depositários dos milhões de toneladas de cereais excedentárias das monoculturas incentivadas pelas PAC's e pelos milhões de dólares injectados na agricultura dos EUA.

 

 

 

E agora... Os esquisofrénicos do "mundo civilizado" lembram-se que é preciso ajudar à produção dos agricultores dos países do Terceiro Mundo, sem essas ajudas eles não serão capazes de permanecer com as barrigas famintas, no entanto, alimentadas.

 

 

Durante décadas e décadas, pelos menos desde os anos 70 (quando houve a última grande crise cerealífera) andaram os srs doutores das grandes instituições mundiais, incluso as Nações Unidas, a desincentivar as produções autóctones.

Agora que os srs doutores se lembraram que - afinal - os cereias também são bons para produzir biocombustíveis ["amigos dos ambiente e tudo! Somos mesmo inteligentes"], deixam à mingua milhões de bocas famintas?

 

 

Para não dizer pior é injusto que o Sul do Mundo ande sempre a reboque do que o Norte do Mundo acha que é melhor para eles.

publicado por M.M. às 16:38
sinto-me:

Terça-feira, 29 de Abril de 2008

 

"Os interesses dos empregadores não podem prevalecer contra a liberdade e a dignidade dos trabalhadores

 

Vital Moreira in Público de 29.04.2008

publicado por M.M. às 19:47


Num fórum da ONU sobre questões indígenas, o presidente boliviano Evo Morales fez um apelo a uma reforma económica global.

 

 

Qualquer pessoa com algum entendimento do mundo, e que «forças» o estão a destruir, não poderá deixar de concordar com o Sr. Morales quado este diz «se queremos mudar o planeta Terra, para salvar a vida e a Humanidade, temos a obrigação de acabar com o sistema capitalista.»

 

O capitalismo depende do consumo, mas o futuro da nossa espécie - e em última análise o do planeta - depende da conservação. Temos que implementar em sistema económico que não dependa da exploração dos trabalhadores e dos recursos naturais caso queiramos sobreviver.

O que os adeptos do capitalismo propõem para resolver os problemas ambientais são «direitos de propriedade», cada metro quadrado do planeta seria de propriedade de alguém. A propriedade não garante necessariamente a sua protecção e com metade da riqueza mundial nas mãos de apenas 2 por cento da população, seriam as grandes empresas que acabariam proprietárias de tudo. Os poluidores pura e simplesmente comprariam a terra, água e ar que pretenderiam poluir.

 

Fonte.

publicado por M.M. às 15:39
sinto-me:

Domingo, 27 de Abril de 2008

Na próxima semana Ban Ki-moon reunir-se-à de urgência em Genebra com representantes de 27 agências das Nações Unidas para discutir a crise alimentícia a nível global.

 

Os preços dos alimentos têm vindo a aumentar, levando ao clima de tensão e a tumultos em algumas nações africanas como os Camarões e o Burkina Faso mais recentemente. Esta é uma das prioridades do secretário-geral da ONU, que no passado dia 20 pediu à comunidade internacional, em Acra (Gana), para encontrar uma solução para a crise alimentar global, considerando que a agudização da subida dos preços poderá ameaçar a estabilidade das nações, particularmente em África.

Para Ban Ki-moon, que discursava na Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (CNUCED), a subida dos preços constitui "uma situação preocupante e representa uma ameaça, particularmente para os países de África".  

 

 

Os cereais transferiram-se dos pratos do terceiro mundo para as ruas do primeiro mundo.

 

Esta transferência poderá levar a um verdadeiro genocídio [mais um!] causado pela fome. A juntar a esse flagelo, concerteza haverá outros que se juntarão como consequência dos graves distúrbios que a fome - causada pela falta dos cereais - poderá trazer às frágeis democracias do terceiro mundo.

 

Numa entrevista à Foreign Policy, Josette Sheeran do Programa Alimentar Mundial da ONU, afirmava «This is a silent tsunami, and one that’s virtually hitting every developing nation on the earth.»

publicado por M.M. às 23:31


Há dias alguém me falava de Almeida Garrett! Como já não me lembrava do que havia escrito nesse ex-libis da nossa literatura... Decidi fazer uma viagem pela minha terra!

 

Há escritos sempre actuais. A passagem que vos deixo aqui pertence a um deles.

 

 

"Não: plantai batatas, ó geração de vapor e de pó de pedra, macadamizai estradas, fazeis caminhos de ferro, construí passarolas de Ícaro, para andar a qual mais depressa, estas horas contadas de uma vida toda material, maçuda e grossa como tendes feito esta que Deus nos deu tão diferente do que a que hoje vivemos.

Andai, ganha-pães, andai; reduzi tudo a cifras, todas as considerações deste mundo a equações de interesse corporal, comprai, vendei, agiotai.

No fim de tudo isto, o que lucrou a espécie humana?

Que há mais umas poucas dúzias de homens ricos.

E eu pergunto aos economistas políticos, aos moralistas, se já calcularam o número de indivíduos que é forçoso condenar a miséria, ao trabalho desproporcionado, à desmoralização, à infâmia, à ignorância crapulosa, à desgraça invencível, à penúria absoluta, para produzir um rico?"

Almeida Garrett, Viagens na Minha Terra

 

publicado por M.M. às 19:06

Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Porque houve tempos em Portugal onde a morte saiu à rua demasiadas vezes.

 

 

Na véspera do 25 de Abril fica aqui um hino à amizade escrito pelo saudoso Zeca ao artista plástico José Dias Coelho, assassinado brutalmente pela PIDE na madrugada do dia 19 de Dezembro de 1961.

 

Mais um dos muitos assassinatos que foram esquecidos pela (des)justiça portuguesa.

 

publicado por M.M. às 23:14

Quarta-feira, 23 de Abril de 2008

O Tratado de Lisboa foi hoje aprovado no Parlamento português com os votos favoráveis do PS, PSD e CDS-PP e com votos contra dos restantes partidos, que criticaram a ausência de um referendo e as "perdas de soberania" nacional. No final da votação, os deputados do PS e do PSD aplaudiram de pé a aprovação da proposta de resolução do Governo.

 

 

O primeiro-ministro abriu hoje a sessão plenária que ratificou o Tratado de Lisboa na Assembleia da República vincando que existe “um grande consenso político e social em torno do Tratado de Lisboa”.

 

É caso para dizer. Importa-se de repetir?

Já sabemos que o sr. engenheiro tem uma ideia do país completamente oposta da da maioria dos portugueses. Só ainda não o sabia tão sabedor do que se passa no país.

 

Caso o sr. engenheiro não saiba... Há muito bom português que nem sequer faz ideia de que existe uma Constituição Europeia, perdão Tratado de Lisboa muito menos sabe o que nele está escrito.

 

A sério que da próxima vez que for ao oftamologista lhe hei-de pedir para que p.f. me coloque nos óculos as mesmas lentes com que os nossos políticos veêm o país. Eu juro que por mais que me esforço não consigo ver onde é que está esse consenso.

 

Deve ser concerteza o novo acordo ortográfico que para além dessa mesma ortografia deve ter mudado o significado das palavras. Quer então dizer que "consenso social e político" é agora qualquer coisa que não é debatida e matéria sobre a qual o zé portuga não se deve pronunciar?

 

Acrescenta ainda o nosso primeiro que a ractificação por via parlamentar do novo Tratado de Lisboa na véspera do 25 de Abril é "uma forma particularmente feliz de comemorar a revolução democrática"

publicado por M.M. às 23:45
sinto-me:


 

 

Lembro-me perfeitamente de ser miúda e ser apresentada aos livros através da Anita e um domingo diferente! Ainda hoje guardo esse meu primeiro livro, ele é quase como mais um amigo de infância.

 

 

 

A partir daí fui sendo apresentada a outros livros! Também nunca me hei-de esquecer quando "roubei" ao meu irmão mais velho A vida de Marconi e a Menina da Cidade, lembro-me de com uns 10 anitos os ter lido aos dois quase de enfiada... É certo que não percebi metado do que li, mas ficou-me esse gosto pela leitura.

 

 

Hoje leio de tudo. Desde que seja boa literatura e bem escrita.

 

 

Neste momento tenho na minha cabeceira. Terra Sonâmbula de Mia Couto e Globalização, Democracia e Terrorismo de Eric Hobsbawm.

 

 

 

Independentemente daquilo que se lê o importante é mesmo ler.

Boas leituras para tod@s.

publicado por M.M. às 22:54

Segunda-feira, 21 de Abril de 2008

 

«O aquecimento global não é um fenômeno natural, mas um problema criado pelos homens. Qualquer pequena quantidade de madeira, cada gota de óleo e gás que os seres humanos queimam são lançados para a atmosfera e contribuem para as mudanças climáticas. » in WWF

 

Pensar pode ser doloroso. Mas mais vale doer e passar do que permanecer na ilusão da cura.

publicado por M.M. às 18:28
sinto-me:


Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
17
18
19

20
22
25
26

28


Go revolution
Join Greenpeace 7 Step Climate Campaign
Em acção
www.greenpeace.pt
mais sobre mim
as minhas fotos
pesquisar
 
as minhas fotos
subscrever feeds