Não podendo mudar tudo do mundo num único instante… poderemos dar pequenos passos rumo a um mundo melhor para todos
Segunda-feira, 29 de Junho de 2009

 
Manila, Filipinas - Foto Francis R. Malasig

 
Sangam, Índia - Foto Rajesh Kumar Singh

 
Swat Valley, Paquistão - Foto Anjum Navee

 

 

E a dignidade paga-se com quê?

 

Fotos pescadas aqui.


Quinta-feira, 25 de Junho de 2009

 

 

 

Já não sou quem era

Meus sonhos não são iguais

Já não sou quem era

A hora é sincera

E eu sinto que me estou a agitar

 

....

 

Mais um belissima letra escrita por Variações... Nela trespassa o desespero de já não se saber quem é, de já se saber as limitações da própria vida!



falco_25062009_1
Alex Falco, «Juventud Rebelde»

 

Um estudo recente do Yale University’s School of Forestry and Environmental Studies refere que a maior parte dos ecossistemas podem recuperar de qualquer dano, se a humanidade se empenhar no seu restauro, em alguma décadas. O estudo é da autoria de Holly P. Jones e Oswald J. Schmitz e aparece na edição de Junho  do PLoS ONE.

Jones e Schmitz compilaram informação de 240 estudos independentes desde 1910 que examinam a recuperação de vários ecossistemas após  a causa de perturbação — humana ou natural — ter terminado. Estes dados agora compilados pelos dois investigadores referem-se a sete tipos diferentes de ecossistemas terrestres e aquáticos e perturbações que vão desde o desflorestação, furacões, invasão de espécies não autóctones, derramamento de petróleo, industria e pesca excessiva. A maior parte dos estudos foi feita  na análise da recuperação de três variáveis: a função do ecossistema, a comunidade animal e a comunidade vegetal.

 

A maior parte dos estudos confirmaram recuperação total ou parcial das três variáveis; apenas 15 mostram que o ecossistema já não apresentava qualquer possibilidade de recuperação. O tempo médio de recuperação é de 20 anos e, no caso de recuperação possível, nenhum excedeu o meio-século. Os estudos ainda mostraram que causas humanas — agricultura, desflorestação — fazem o tempo de recuperação aumentar.

 

Jones e Schmitz,  no seu estudo, concluem que a recuperação é possível e pode ser relativamente rápida para muitos ecossistemas, o que traz alguma esperança na transição que se pretende de uma gestão global e sustentada de ecossistemas.

 

Fonte.

 

Recuperar é possível... depende sempre com as lentes que olhamos o mundo! Depende sempre da vontade de ver essas mudanças no terreno...

publicado por M.M. às 12:46

Quarta-feira, 24 de Junho de 2009

 

 

Mesmo que você não esteja indo a São Francisco, mas indo trabalhar. Mesmo que você vá ficar em casa. Mesmo que custe uns minutinhos a mais na frente do espelho: coloque algumas flores em você. (...)

Mesmo que chova. Mesmo que o carro tenha deixado você na mão e você vá trabalhar de ônibus. Melhor assim: mais gente verá sua flor. Mesmo que os ônibus entrem em greve e você tenha de ir a pé. Aí você vai colhendo flores pelo caminho para enfeitar a sua mesa.

Mesmo que as coisas, no geral, não estejam do seu agrado. Mesmo que seja a centésima vez que você diz para si mesma que vai procurar outro trabalho, mudar de profissão, terminar com o namorado, falar sério com o marido, ter mais paciência com os filhos. Que vai começar a caminhar. Que vai se alimentar melhor. Que vai colocar mais vestidos no seu guarda-roupa. Aproveite e comece por um florido.

(...)

Mesmo quando os cinzentos tentarem estragar seu dia, faça como o doce touro Ferdinando: prefira sentir o perfume das flores a entrar na briga. (Só tome cuidado com as abelhas.)

Mesmo que você use todos os seus trocados, compre todas as flores daquele senhor no sinal. Depois, dê de presente para seus vizinhos. Pois gentileza gera gentileza, alguns sabidos já notaram.

 

Fonte.

 

Li à pouco este texto e achei-o belissimo... mantenho o português do Brasil, para que a musicalidade do texto não seja quebrada...

 


Segunda-feira, 22 de Junho de 2009

Segundo a ONU até ao fim deste ano o número de pessoas que sofrerá de fome atingirá um novo recorde: mil milhões de pessoas, ou seja, um sexto da população mundial. Os dados forma fornecidos pela Food and Agriculture Organization, e segundo o seu director-geral a fome representa a maior ameaça à paz e segurança mundial.

A ONU afirma que todos os que vivem em situações desta forma precárias vivem em países sub-desenvolvidos ou em vias de desenvolvimento; 642 milhões deles vivem na zona da Ásia-Pacífico. Na região subsariana, outra região problemática vivem  265 milhões. Apenas 15 milhões vivem em situações de pobreza extrema e fome no (chamado) mundo desenvolvido.

A combinação da crise financeira global e o aumento dos preços dos produtos alimentares é a principal causa para este novo número para a fome, segundo a ONU.

dario_21062009_1
Dario Castillejos, «Imparcial de Oaxaca»

 

Fonte.



Ontém mais uma tarde bem passada em contacto com o que a natureza tem de melhor para nos oferecer a sua beleza e simplicidade... Que se dão sem esperar nada em troca!

 

 

Teremos de ser nós a dar o troco... respeito.

publicado por M.M. às 12:41
tags:

Sábado, 20 de Junho de 2009

 

Talvez os sexos sejam mais parecidos do que pensamos … e então a grande renovação do nosso mundo consiste nisto: que o homem e a mulher, libertados de sentimentos falsos e aversões, possam unir-se como amigos, vizinhos, mais do que amantes – como irmãos e irmãs.

Rainer Maria Rilke

publicado por M.M. às 17:47


 © JVieira

 


Quase mil milhões de pessoas passam fome devido à crise global de alimentos e o problema tem que ser resolvido à luz dos direitos humanos, afirmou um especialista das Nações Unidas.
Olivier De Schutter, Relator Especial sobre o direito à alimentação, disse que apesar de os preços dos alimentos terem baixado «a crise continua connosco» e o número dos famintos continua a aumentar.
De Schutter adiantou que normalmente os órgãos internacionais advogam o aumento da produção de alimentos mas esquecem os direitos humanos.
O relator explicou que o problema real da fome não está relacionado com a falta de comida, mas com o facto de que muitos não terem meios para a comprar.
De Schutter salientou que a fome é um problema político relacionado com uma governação pobre.


«O Velho acaricou-a, ignorando a dor do pé ferido e chorou de vergonha, sentindo-se indigno, envilecido, de modo algum vencedor daquela batalha

Com os olhos nublados de lágrimas e de chuva, empurrou o corpo do animal para a beira do rio, e as águas levaram-no pela floresta adentro, até aos territórios jamis profanados pelo homem branco, em direcção ao Amazonas, aos rápidos onde seria desfeito por punhais de pedra, para sempre a salvo das indignas alimárias.

Seguidamente, arremeçou a espingarda com fúria e viu-a mergulhar sem glória. Besta de metal indesejada por todas as criaturas.

Antonio Jose Bolivar Proano tirou a dentadura postiça, guardou-a embrulhada no lenço e, sem parar de amaldiçoar o gringo que estivera na origem da tragédia, o administrador, os garimpeiros, todos os que insultavam a virgindade da sua Amazónia, cortou com um golpe da machete um grosso ramo e, apoiando-se nele, pôs-se a andar em direcção a El Ilidio, da sua choça e dos seus romances, que falavam do amor com palavras tão bonitas que às vezes lhe faziam esquecer a barbarie humana.»

 

Excerto final de O velho que lia romances de amor, Luís Sepúlveda

 

Final de dia muito bem passado na companhia das velhas amigas letrinhas ordenadas em palavras que juntas fazem todo o sentido em frases de leitura mais ou menos fácil ou difícil. Não interessa! O importante é tê-las por companhia. Mais uma vez apaixonei-me por cada uma das palavras de Luís Sepúlveda neste livro que nos faz afastar da barbarie humana e nos leva a descansar no amor à floresta, à vida e à simplicidade desse amor.

publicado por M.M. às 00:28

Quarta-feira, 17 de Junho de 2009

 

A Assembleia da ONU, em 1994, decidiu declarar o dia 17 de Junho como Dia Mundial da Luta contra a Desertificação e a Seca. É uma forma de sensibilização da opinião pública para a necessidade da cooperação internacional na luta contra este processo que afecta negativamente centenas de milhões de pessoas em 110 países.

 

 

 

 

De acordo com um relatório da Casa Branca, que usa uma linguagem de alerta, o aquecimento global já causou pesados danos, o que se reflete, por exemplo, no aumento das temperaturas e dos níveis do mar, no degelo dos glaciares e na alteração dos cursos de água.
"Em alguns casos, há já sérias consequências", afirmou Anthony Janetos, co-autor do relatório, acrescentando que "não se trata que uma questão teórica que vai acontecer daqui a 50 anos, é uma coisa que está a acontecer agora."

 

Não podemos dizer que não é connosco! É com todos nós e com cada um de nós... São as nossas acções, por mais simples que nos possam parecer, que são capazes de alterar este cenário!!

 

As principais causas da desertificação estão associadas ao uso inadequado do solo e da água, especialmente em actividades agropecuárias, nas minas, na irrigação mal planeada e no abate indiscriminado de árvores. Quando se fala em deserto, pensasse logo numa enorme área inóspita só habitada por meia dúzia de loucos sem a míniam sombra de "verdes". No entanto, as monoculturas (bastante verdes) são das principais causadoras de desertificação.


Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
15
18
19

21
23
26
27

28
30


Go revolution
Join Greenpeace 7 Step Climate Campaign
Em acção
www.greenpeace.pt
mais sobre mim
as minhas fotos
pesquisar
 
as minhas fotos
subscrever feeds