Não podendo mudar tudo do mundo num único instante… poderemos dar pequenos passos rumo a um mundo melhor para todos
Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2009

Chega esta altura do ano e já sabemos que as montras das lojas se enchem de corações de todos os tamanhos, acompanhados de ursinhos ou solitários, todos com uma mesma inscrição I love you.

 

Eles estão por toda a parte. À direita, à esquerda...

 

De canecas a molduras, de almofadas a boxers, de t-shirts a aventais, de toalhas a tapetes, é difícil encontrar o que quer que seja que não tenha por estes dias aquela outra verdade feita do all we nead is love. Haverá prova maior de amor do que no dia dos namorados receber uma lingerie super sexy com um I love you a etiquetar a peça? [grrrrrrr]

 

Nesta época do ano o S. Valentim - e ainda há quem seja ateu e agnóstico e coisa e tal - faz entrar no bolso dos nossos comerciantes uns tantos euros, que face à crise que por aí anda, até se agradece.

 

 

Fala-se no dito santo e caímos todos numa espécie de adormecimento provocado por um estado semi-hipócrita do peace and love for all. Por estes dias temos o melhor namorado ou namorada, o melhor marido, a melhor esposa, o melhor amante, a melhor cuncubina.

 

As floristas não têm mãos a medir, há sempre o marido atrasado que tenta compensar todas as falhas durante o último ano com a cara metade num belo ramo de rosas vermelhas, que é para ver se a paixão (volta) a arder. Os restaurantes enchem-se de esforçados casalinhos que tentam avivar a chama da paixão. Os mais velhos lembram as paixões da adolescência, aquela vizinha boa(zona) ou aquele ilustre desconhecido que dava as caras pelos bailes da aldeia em pleno verão.

 

No dia seguinte, dia 15 volta tudo a ser como no dia 13. Os maridos esquecem-se de baixar a tampa da sanita, as esposas dedicadas já não fazem a sobremesa preferida do mais que tudo. O namorado já não convida a sua cara metade para um programa alternativo. A namorada já só volta a chamar o dito cujo de mor, sem o amo-te a seguir. Volta tudo à (boa e velhinha) rotina.

 

Só o amor verdadeiro e desisteressado vale a pena.

O resto acredito (e espero que também acreditem) é plástico. Ainda por cima americano.

publicado por M.M. às 19:17

"Oui, Oui, Je t´aime" lool

Então os rapazes que oferecem um ramo de rosas vermelhas, são os esquecidos de última hora??? Hum...
(essa propaganda negativa).

Bom pelo menos este ano Dia de S. Valentim fica mais barato. eheheheh

Rogério Carvalho a 12 de Fevereiro de 2009 às 22:18

LOL o que quis dizer foi que oferecem o ramo de rosas para se desculparem por passarem um ano sem lhes ligar nenhuma....

Pois é este s. valentim.... vai ficar pela módica quantia de um jantar :)
M.M. a 13 de Fevereiro de 2009 às 18:13

http://batemtodos.blogspot.com/2008/08/uma-histria-de-amor.html

Esta sim, é uma verdadeira HISTÓRIA DE AMOR.r
Rufino Fino Filho a 13 de Fevereiro de 2009 às 08:56

Olá Rufino!

O que escrevi aqui não é nem pretendia ser uma história de amor. O que escrevi é precisamente uma crítica ao amor de plástico, diferente daquele que tu escreves (e muito bem) no teu texto.

Obrigada pela visita
M.M. a 13 de Fevereiro de 2009 às 13:09



Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
14

16
18
19
20
21

23
24
25
27
28


Go revolution
Join Greenpeace 7 Step Climate Campaign
Em acção
www.greenpeace.pt
mais sobre mim
as minhas fotos
pesquisar
 
as minhas fotos